Justiça de Goiás nega liberdade para João de Deus

Abadiânia- GO, Brasil- O médium João Teixeira de Faria conhecido como João de Deus, atende cerca de 1000 pessoas por dia na Casa Dom Inácio de Loyola em Abadiânia Goiás. Os trabalhos acontecem de quarta a sexta em duas sessões por dia (de manhã e a tarde) Pessoas do mundo todo, de diferentes crenças e religiões, visitam a Casa em busca de cura e proteção das entidades espirituais. The medium Joao Teixeira de Faria, Known as John of God, assist about 1000 people a day in Casa Dom Inacio de Loyola, in Abadiania Goias, a small city in the heart of Brazil. The spiritual works happen from wednesday to friday in two sessions per day (in the mornings and afternoons). People from all over the world, of different beliefs and religions, visit the Casa searching for cure and protection from the spiritual entities.

 

Por unanimidade, o Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) negou pedido de liberdade feito pela defesa do médium João de Deus, que está preso desde 16 de dezembro, no Núcleo de Custódia de Aparecida de Goiânia (GO), sob a acusação de violação sexual mediante fraude e de estupro de vulnerável. Os supostos crimes teriam sido praticados contra centenas de mulheres. Os advogados negam as acusações.

Durante o julgamento, os advogados de João de Deus defenderam que o médium poderia aguardar o desfecho das investigações em liberdade ou em prisão domiciliar. A defesa alegou que o médium é réu primário, mora em residência fixa há 42 anos, tem 76 anos e problemas de saúde, como doença coronária e vascular, além de ter sido operado de câncer no estômago.

Mais cedo, o Ministério Público de Goiás (MPGO) apresentou à Justiça Estadual a segunda denúncia contra João de Deus pelos crimes de estupro de vulnerável e violação sexual.

Para o MPGO, 13 casos ocorreram entre o início de 1990 e meados de 2018. As vítimas são de oito unidades da Federação: Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo. Uma das mulheres que afirmam ser vítimas diz ter sofrido abuso em dois diferentes momentos. O primeiro quando ainda era uma criança. O segundo, adolescente.

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

COMPARTILHAR