CoronaVac é segura e tem taxa de eficiência de 98% em idosos, afirma Doria

 

Após lamentar a paralisação dos testes da vacina produzida por Oxford, João Doria, governador de São Paulo, afirmou nesta quarta-feira, 9, que a vacina chinesa denominada CoronaVac, que está sendo produzida com apoio do Instituto Butantan, tem apresentado 98% de eficácia no combate a covid-19 em idosos. Ainda em fase de testes, o Brasil possui 9 mil voluntários da área da Saúde participando da testagem com a vacina, que está na fase 3 de testes em humanos.

“Os testes demonstram que a vacina CoronaVac é segura e tem taxa de eficiência de 98% na imunização de idosos. Estudos da segunda fase de testagem demonstram que pessoas com mais de 60 anos, que representam um dos grupos de risco [para o novo coronavírus], receberam mais de uma dose da vacina e a resposta imune chegou a 98%”, disse Dória.

“Desde o dia 21 de julho [quando os testes da vacina foram iniciados no Brasil], há quase 50 dias, não temos nenhum incidente, nenhum registro de reação adversa significativa nestes quase 9 mil voluntários. Os prognósticos são promissores. E em breve teremos a vacina para imunizar os brasileiros de todo o país”, disse Doria, ressaltando que os testes realizados no país têm sido positivos.

Até 15 de outubro, os testes de eficácia da vacina no Brasil deverão ser conhecidos. “Até o final de setembro, vacinaremos todos os 9 mil voluntários. Com isso, a partir de 15 de outubro, poderemos ter a análise da eficácia”, disse o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, no qual também informou que, até o momento, 4 mil voluntários já receberam, pelo menos, a primeira dose da vacina.

Se os resultados se mostrarem positivos, a partir de dezembro deste ano, 46 milhões de doses estarão disponíveis. No entanto, cada pessoa precisará tomar duas doses. Logo, aproximadamente 23 milhões de brasileiros poderiam ser vacinados nesse momento.

Covas disse que o Instituto Butantan poderia produzir, até maio do ano que vem, 100 milhões de doses da CoronaVac. Mas isso dependeria do apoio financeiro do Ministério da Saúde.

Share:

COMPARTILHAR