Estudantes vão acionar Justiça contra Escola Bahiana de Medicina por trocar processo seletivo pelo Enem

 

Estudantes que pretendem cursar Medicina na Escola Bahiana decidiram que vão entrar com uma ação na Justiça contra a instituição de ensino, após esta trocar o processo seletivo próprio para o curso pelo uso das notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), realizado no ano passado.

A intenção de acionar a Justiça foi planejada por dez alunos que estudaram para o curso da instituição, e estão se sentindo prejudicados. As notas do Enem já eram permitidas para os outros cursos.

A Escola Bahiana de Medicina utiliza a pandemia do novo coronavírus como justificativa para a alteração.

“Tá todo mundo com sentimento de ser injustiçado, porque todos queriam a Bahiana. A gente se dedicou o ano todo em relação a ela, é um vestibular bastante específico. Faz curso específico; treina questões específicas, e, chega agora, serão utilizadas as notas do Enem”, reclamou Thiago Mainard, de 18 anos, em entrevista ao BNews.

A adição das notas do Enem em detrimento do Processo Seletivo Formativo (PROSEF) foi anunciada na última quinta-feira (14), em comunicado publicado no site da instituição.

“A pandemia tem obrigado todos a repensar sobre a forma como fazemos as coisas, e é inevitável que o nosso Processo Seletivo para 2020.2 acompanhe essas mudanças. Por questões de segurança, o PROSEF, pelo qual temos grande apreço e é um valioso diferencial da nossa instituição, não tem como ser realizado, e, por isso, já havíamos anunciado a suspensão das datas originais para todos os nossos cursos”, diz o início do comunicado.

A instituição argumenta que, enquanto Escola de Saúde, precisa levar a pandemia em consideração e alternar a forma de ingresso.

“Enquanto Escola de Saúde, temos a responsabilidade de contribuir com as medidas de afastamento social, fundamentais para a retomada de nossa vida tão logo seja viável. Como também existe a preocupação com a lisura e a segurança do processo, que são essenciais para mantermos a qualidade que nos identifica, a Escola Bahiana decidiu adotar o ENEM como porta principal de acesso a este próximo semestre para todos os cursos”, diz outro trecho.

A Escola ainda informa que disponibilizará os editais e abrirá inscrições com seus devidos critérios e cronogramas.

“Fere princípios”

Na avaliação do advogado Ruy João, que foi procurado pelos estudantes para representá-los na Justiça, a mudança anunciada pela Escola Bahiana “fere” alguns princípios.

“Não pode se mudar a regra do jogo com a partida já iniciada. Ela [a mudança] ‘fere’ alguns princípios, como o da consciência: o cidadão tá consciente que vai fazer determinada prova. Tem as regras que são seguidas, e a faculdade vem no meio do caminho e muda. Ela tá gerando prejuízo ao estudante que se dedicou ao vestibular dela”, analisou o advogado, em entrevista ao site.

Ele informou que já fez os estudos preliminares e logo mais irá ingressar com a ação na Justiça.

A reportagem tentou entrar em contato com a Escola Bahiana, por meio de sua assessoria de comunicação, mas não obteve sucesso até a publicação desta matéria.

COMPARTILHAR