Londres: Três adolescentes foram condenados pela morte do capoeirista e motoboy brasileiro

 

O paulista Iderval da Silva, de 46 anos, foi espancado em Londres em maio de 2019, onde trabalhava como entregador da Uber Eats depois de atacado no bairro Battersea, no sul da cidade, quando tentou impedir que a moto fosse roubada. Ele chegou a ser internado, mas morreu três dias depois.

Jadan Richards, de 19 anos, e um jovem de 16 anos, que não teve o nome revelado por ser menor de idade, ambos de Wandsworth, no sudoeste de Londres, foram condenados por homicídio doloso — quando há intenção de matar.

Um outro jovem, de 17 anos, foi condenado por homicídio culposo — quando não há intenção de matar.

O promotor Tony Badenoch disse durante o julgamento que o brasileiro estacionou a moto do lado de fora de um café, quando o grupo de jovens avistou o veículo e um deles tentou furtá-lo.

Silva percebeu a movimentação e tentou impedir que levassem a moto. Ele foi, então, alvo de um “momento explosivo e rápido de violência”, segundo as palavras do promotor.

O brasileiro foi deixado inconsciente no chão e morreu três dias depois, de um sangramento no cérebro provocado pelas agressões.

A promotora Sally-Anne Russell declarou, no julgamento, que se trata de “um caso trágico de um homem que morreu tentando proteger a propriedade”.

“Testemunhas assistiram com horror a forma como o ataque se desenrolou sem qualquer provocação”, afirmou.

“Elas correram para ajudar Silva, depois que os jovens fugiram, mas o grau da violência foi tamanho que ele morreu poucos dias depois.” Paramédicos atenderam Silva na avenida Charlotte Despard e o levaram ao hospital, mas ele não resistiu.

COMPARTILHAR