O deputado e pastor Marco Feliciano é processado por Caetano Veloso

A ação é consequência de publicações feitas pelo pastor nas redes sociais questionando por que o artista não foi preso por ‘estupro’

Os advogados de Caetano Veloso entraram com uma queixa-crime no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o deputado federal Marco Feliciano (PSC-TJ), na segunda-feira (11), por injúria e difamação.

A ação é consequência de publicações feitas pelo pastor em suas redes sociais questionando por que o Ministério Público Federal (MPF) não prendeu o artista por “estupro”. O político frisou nas redes sociais que o cantor, quando tinha 40 anos, “tirou a virgindade de uma menina de 13”. As informações são do jornal O globo.

A defesa de Veloso afirma que as declarações de Feliciano começaram depois que o artista apoiou à performance Lê bete, realizada no Museu de Arte Moderna de São Paulo, em que uma criança entrou em contato com um homem nu.

De acordo com a ação, no entanto, o deputado fez pronunciamentos que fugiram do tema debatido, passando a atacar o cantor pessoalmente. Sendo assim, sua conduta deve ser enquadrada como injúria e difamação: “a intenção do parlamentar foi, inequivocamente, a de ofender”, diz um trecho do texto.

Em uma das publicações, Feliciano diz: “Em inúmeros sites da internet você vai encontrar ele dizendo que tirou a virgindade de uma menina de 13 anos de idade na festa de 40 anos dele. Todos nós sabemos que isso é crime, isso é estupro de vulnerável, isso é pedofilia e o Caetano se incomodou com isso e mandou uma notificação extrajudicial”.

Ele também fez duras críticas aos artistas que apoiaram a performance do MAM-SP: “Estão em campanha pela exposição de sexo e nudez, são hipócritas e desonestos”. A assessoria do deputado federal informou que o parlamentar ainda não foi notificado sobre o procedimento judicial.

Compartilhe isso:

COMPARTILHAR