Passageiro denuncia condições precárias de ônibus da Novo Horizonte

Ônibus sujos, sem cinto, enferrujados e com mau cheiro. Foi desta forma que o publicitário baiano, Alan Requião, descreveu os ônibus da viação Novo Horizonte.

Em entrevista ao BNews, ele relatou que no último domingo, dia 10, a mulher dele e duas filhas, entre elas um bebê, viajariam para cidade de Santana, no extremo oeste baiano. Saindo da capital baiana, o ônibus percorre 813 km em mais de 10 horas.

“A saída estava prevista para 6h30 da noite, mas após atraso, saiu 7h30. Eu entrei no ônibus para colocar minha filha na cadeirinha, mas não tinha cinto. Fizemos uma queixa no posto da Agerba, na rodoviária de Salvador, e o ônibus foi trocado. Seis por meia dúzia. O ônibus tinha cinto, mas estava sujo, velho, fedendo e enferrujado”, lembra o publicitário.
Segundo Requião, essa é a única empresa que oferece o serviço para a cidade de Santana. “Eles colocam qualquer ônibus para rodar. Só essa empresa que roda para lá”, lamenta.

A crítica do publicitário não é isolada. Nas redes sociais, os comentários sobre o serviço prestado pela Novo Horizonte é alvo de duras críticas.

Uma passageira relata uma situação ainda mais complicada. ” Comprei passagens de Vitória da Conquista a Itabuna. Algumas poltronas não possuem cinto de segurança, porta copos quebrados, chão imundo, não tinha porta sacolas. Nem me arrisquei a entrar no banheiro. Saindo da rodoviária de Vitória da Conquista resolveram entrar na garagem da empresa. Ficamos uma hora nesse local, onde resolveram trocar o pneu traseiro, lavar banheiro. Atrasando a viagem, e nos forçando a ficar dentro do ônibus o tempo todo. Eu fiquei com nojo de me alimentar dentro do ônibus. E com toda certeza, foi a pior experiência da minha vida”, relembra.

Outro passageiro, que usa o serviço da Novo Horizonte há algum tempo, também registrou sua queixa. “Eu viajo a mais de 10 anos nessa empresa, mas a Linha que vai de Porto Seguro (BA) Para Porto do Rosário (GO) está uma vergonha, ônibus velho. Por ser uma viagem longa tem que colocar ônibus melhores e mais confortáveis”, desabafa.

Procurada pelo site, a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transporte e Comunicações da Bahia (Agerba) informou que “para realizar o transporte de passageiros a agência determina que as empresas realizem vistoria dos veículos. Ônibus com até cinco anos de fabricação passam por vistoria anual obrigatória. Já veículos acima de cinco anos devem realizar vistoria a cada semestre”.
Sobre o ônibus da Novo Horizonte e a falta de sinto do segurança no último domingo, “o fiscal da Agerba autuou a empresa por “falta de equipamento obrigatório”, sendo esta uma infração gravíssima, retirando o veículo de circulação imediatamente”. Ainda de acordo com a assessoria, para que os passageiros pudessem seguir viagem foi exigido outro ônibus, “que apresentava condição de realizar o serviço de transporte”.

Por fim, a Agerba afirma que realiza blitz de fiscalizações de veículos tanto nas estradas, como nos terminais rodoviários diariamente. Além disso, as denúncias de passageiros também são apuradas.

A reportagem tentou contato com a empresa por meio dos números que estão nas redes sociais, e no site a empresa, mas ninguém foi encontrado para explicar a situação.

COMPARTILHAR