Prefeitura multa empresas pela falta de ônibus na greve

 

A Prefeitura de Salvador decidiu autuar as concessionárias de ônibus CSN, OT Trans e Plataforma por descumprirem o contrato de concessão do transporte coletivo na cidade. O documento prevê que o serviço, devido ao caráter essencial, seja oferecido sem interrupção à população. Os ônibus não circularam na cidade com a paralisação dos rodoviários.

Ontem, rodoviários baianos decidiram participar da mobilização nacional em protesto contra a reforma da Previdência

A multa pelo descumprimento do contrato é de R$1.120.000,00, dividido entre as três empresas. “Os serviços devem estar continuamente disponíveis aos usuários, não podendo ser usado como justificativa, greve de trabalhadores, comoções sociais ou protestos públicos que inviabilizem a prestação dos serviços ou reflitam no aumento de custo”.

Para minimizar os efeitos da paralisação dos ônibus, a Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob) montou um plano de ação para suprir a demanda de transporte dos usuários.

O esquema envolve 300 micro-ônibus do Sistema de Transporte Especial Complementar (STEC), dos quais 30 foram danificados, e que foram autorizados a operar em roteiros nos grandes corredores da cidade.

A Semob autorizou a circulação de, pelo menos, 800 veículos do Transporte Escolar e do Transporte Turístico, que estão aptos a atender aos passageiros na cidade, em caráter especial, com valor da tarifa vigente.

COMPARTILHAR