Projeto Jogando Limpo com a Praia realiza 3ª edição na orla de Itapuã

 

O forte vento e a inexperiência não contribuíam para que a jovem Karina dos Santos, 8 anos, coletasse os resíduos da faixa de areia da praia de Itapuã. Superado o obstáculo inicial, os primeiros passos na conscientização ambiental de Karina foram compartilhados com cerca de 120 pessoas que participaram da 3ª edição do projeto Jogando Limpo com a Praia.

A ação é do Salvador Norte Shopping, com o apoio do Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM). Segundo o coordenador de desenvolvimento socioambiental do IJCPM, Fabiano Mehmeri, nas outras edições, ao total, foi coletada uma tonelada de lixo, incluindo redes e material plástico envolto em tartarugas-marinhas.

O propósito de despertar a consciência ambiental e cidadã da população por meio da coleta de resíduos reforça o sinal de alerta para as condições de limpeza das praias da capital baiana. Durante todo o ano de 2017 a Empresa de Limpeza Urbana do Salvador (Limpurb) coletou 14 mil toneladas de lixo nas praias de Salvador.

Nos três primeiros meses deste ano foram coletadas 4.500 toneladas de lixo. A ação da Limpurb acontece diariamente e, em algumas praias com fluxo intenso, nos três turnos, segundo a assessoria do órgão.

Além disso, os agentes usam equipamentos de secagem da areia para a retirada de resíduos menores. Ainda segundo a Limpurb, a limpeza das praias é intensificada durante o verão.

Aliado a isso, a Secretaria da Cidade Sustentável e Inovação (Secis) atua com pontos de entrega voluntária (PEVs) de materiais recicláveis e apoio em ações da Limpurb, conforme explica o titular da pasta, André Fraga.

A TARDE esteve na região do subúrbio e constatou pouco lixo na orla, bem como no Jardim de Alah e outros pontos da cidade. Lixeiras também puderam ser identificadas facilmente.

Morador de São Tomé de Paripe, Florisvaldo da Hora Vasconcelos, 37 anos, confirma que a Limpurb realiza limpeza do local pela manhã diariamente. Para ele, a ação poderia ser mais frequente. Por outro lado, acredita que a população precisa colaborar. “O que falta é conscientização das pessoas para não jogar lixo no chão ou na areia”, diz.

A coordenadora de educação comunitária da Limpurb, Letícia Marques, acredita que a melhor estratégia para comprometimento é fazer com que as pessoas sejam parte do processo, como na ação ocorrida nesta quarta-feira, 6, que contou com pescadores, integrantes de cooperativas de reciclagem, além de estudantes do Centro Universitário Jorge Amado (Unijorge) e de escolas públicas.

*Sob a supervisão da editora Meire Oliveira

COMPARTILHAR