Tocantins: Morre médico atropelado em rodovia enquanto corria

Pedro Caldas teve traumatismo craniano e passou por cirurgia. Ele acabou falecendo neste sábado (16), um mês após entrar em coma.

Morreu na manhã deste sábado (16) o ginecologista Pedro Caldas. A morte foi confirmada pela assessoria da UTI de um hospital particular de Palmas, onde o médico estava internado em coma há mais de um mês, após ser atropelado enquanto corria às margens da rodovia TO-050, no perímetro urbano da capital. As causas oficiais da morte ainda não foram divulgadas, mas o médico havia sofrido traumatismo craniano e estava em estado grave desde o acidente.
Acidente-
As pessoas foram atropeladas na marginal leste da rodovia TO-050, em Palmas, na manhã deste domingo (12). Uma das vítimas é o médico Pedro Caldas, especialista em reprodução humana, que está em coma no Hospital Geral de Palmas. Testemunhas contaram que ele estava correndo às margens da pista, quando foi atingido. O impacto deixou o para-brisas do carro destruído. A outra vítima é o médico Moacir Naoyuk Ito, ele estava ao lado de Caldas, treinando em uma bicicleta e teve ferimentos leves. Os dois são triatletas e corriam com um grupo de assessoria esportiva.
O acidente aconteceu por volta das 8h30 próximo ao Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Tocantins (Dertins). Agentes de trânsito estiveram no local. Segundo a Polícia Militar, o carro que atingiu os dois era conduzido por Iolanda Costa Fregonesi. Ela não apresentou carteira de habilitação. A informação também foi confirmada pela Polícia Civil. O médico Pedro Caldas sofreu traumatismo craniano e foi levado para o Hospital Geral de Palmas (HGP). A Secretaria de Saúde informou à TV Anhanguera que ele passou por cirurgia e está em coma, em estado gravíssimo. Durante a tarde, ele foi transferido para um hospital particular da capital. A motorista do carro foi levada para a Central de Flagrantes da Polícia Civil, onde pagou fiança de R$ 3 mil e foi liberada para responder em liberdade. Por telefone a família de Iolanda disse que não irá se posicionar sobre o assunto.

 

COMPARTILHAR